sábado, 14 de agosto de 2010

eu, tu


procurar onde despejámos tudo o que não foi dito.

a minha melhor mentira, todas as vezes, para ti.

levar a sério o nosso parque de diversões.

nunca ser tarde, nunca ser tarde demais.

o meu melhor sorriso do melhor ângulo.

querer que me leias até nos apanhares.

ser eu menos vezes (um preço barato).

saberes-te beijada quando te olho.

passeares cá dentro, descalça.

tudo o que te disse sem dizer.

o peito a cavalgar sem rédeas.

levar em cheio com a tua luz.

adorar que adores a tua vida.

a tua gigantesca liberdade.

desesperar por te entreter.

perto mas longe mas perto.

demorar-me no teu retrato.

fazer-te poucas perguntas.

preferir que fosses outra.

completar as tuas frases.

o meu melhor número.

chamar-te pelo nome.

rir até poder chorar.

ver tudo mais claro.

sangrar isto tudo.

poder ser foleiro.

dizer-te que sim.

esta avalancha.

fodass.

4 comentários:

i disse...

:,)

Peter disse...

Caro amigo,

quando terminar este comentário terei pedido desculpa por duas vezes e por duas razões diferentes.

A primeira por não ter respondido à sms de desabafo àquele mau filme de sábado à noite na Mata Real. Mais um ano a encomendar móveis. Que se lixe, eles é que o ganham e nós é que nos arreliamos. Já não se conjuga o verbo arreliar tantas vezes como antigamente, o que é uma pena.

O segundo pedido de desculpas tem a ver com este post. Vou fazer copy/paste para o meu blog. Espero que não te importes. Talvez as nossas razões sejam as mesmas. Ou não sejam. Ou devessem ser. O que interessa aqui? A coisa escrita está bonita, fodass.

Abraço!

Marisa disse...

Gostei muito do teu texto ;)
Aproveito para fazer publicidade ao meu blog
http://cicioo.blogspot.com/
dá uma espreitadela e comenta, sff.

Sinceramente, gostei.

Anónimo disse...

A cada espreitada uma nova surpresa. E um susto.