segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Podes Ser

A miúda de leste, infinitamente feliz desde que empurra um carrinho de bebé, loira, bem sardenta, peito para sobrenutrir dez filhos saliente num corpo de mãos ao barro, por mim passou bonita e vagarosa como um acorde de harpa. Contou, deve ter contado, um, dois, três e virou-se meia fracção antes do momento certo, o do desencontro - percebi, percebeu, sorri(mos).

Um idoso que apressadamente ajeitou os três fios de cabelo à janela do metro logo que a seu lado viu sentar metro e meio de mulher, corpo, alma e adereços anos 20 a evocar o tempo de outras senhoras, o seu tempo, e finalmente digno de a observar sem que ela se sentisse observada por ali ficou em permanente observatório, observei.

A moça dos olhos adormecidos, por quem os adormeceu já esquecidos.

Tu,
Eu.
Nós.

É.

5 comentários:

Cat disse...

Podias ser o meu vizinho...
É.

;)

Rui Coelho disse...

chama-lhe "ó marafade!" da próxima que o vires, a ver o que o bichinho diz!

*

Cat disse...

ahahahah
afinal não é meu vizinho. Trabalha na zona, ou pelo menos deixa o carro aqui no bairro logo de manhã.
E não, eu não lhe perguntei nada. Estive atenta :D

beijos

Nádia disse...

Como diz a 'da Mata, "Há tantas pessoas especiais". E tantas caras (larocas, umas mais que outras :) bjs

Rui Coelho disse...

Já falei com ela, sorrisão e lágrima fácil. Gente boa.

*