sexta-feira, 11 de setembro de 2009

noites daquele branco branquinho

... havia festa no miradouro de são pedro de alcântara em volta da roda de choro de lisboa, e haverá poucos miradouros como aquele, assim, a oferecer castelo e sé e a insinuar o tejo, que de noite é mais imaginado daqueles lados do que propriamente visto, e depois passou talking heads no bar que por ali abriu; a noite esteve belíssima, daquela beleza ofuscante, capaz de fazer corar o dia mais vaidoso, branca como o dostoievski imortalizou; amigos de hoje e de ontem, mocas a condizer e a inês, claro, a inês que era o motivo de tudo aquilo e anda a sofrer por antecipação uma mudança de vida - em boa verdade, já gastou por cá metade da dor -, a inês que cortou o cabelo e estava uma gata de cinema com os amigos e as mocas e a inês que agora tem uma capa de jornal só para ela; noites brancas sem despedida, é pisado mas também não gosto delas, e a inês que ronrona no ombro próximo quando vira o copinho que resultou da ideia fixa "só mais um" e há-de ver o cinema paraíso em cardiff, ou noutro lado qualquer, se é que ainda não o viu, para nos créditos finais abrir uma janela, todos queremos que a inês abra janelas, e gritar a pulmões cheios: "Alfredo!"

5 comentários:

M. disse...

essa inês parece-me boa peça.

e esse é o meu miradouro. 3º banco a contar da esquerda, é onde dá para ver tudo. gostei de o ver aqui

i disse...

já vi, mas a verdade é que "ALfredo!" soa sempre diferente dependendo da janela de onde se grita :P
obrigada**

Kami disse...

Que bela descrição da noite! Nem parecia que a estavas a sentir dessa forma, a avaliar pelo ar rendido com que foste arrastado dali!...

Rui Coelho disse...

já tinha combinado ir na noite seguinte pra onde foste naquela: não podia gastar tanto assim. em parte foi isso. por outro lado perdi a vontade. devo ser meio bipolar. ou tolo. noite gira.

Kami disse...

Noite gira sem duvida.