quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Obama


Muita coisa mudou em quatro anos. Nas fotografias e nos discursos, o Obama continua a ser o presidente que a maioria das pessoas que conheço gostaria de ter, mas perdeu a aura messiânica, foi despromovido à condição de comum mortal. É uma vitória diferente, esta, se comparada com a maravilhosa histeria colectiva que nos contagiou em 2008, que nos fez pensar no Obama como alguém que iria salvar o mundo. Tenho quase a certeza que ele julgava ter nas mãos o poder de fazer o que pensa - e acredito que pensa da forma certa. Mas não é assim que a política funciona, sobretudo nos Estados Unidos. Terá nascido no país errado. Seja como for, não tenhamos dúvidas: um democrata afro-americano que no seu primeiro mandato não invade países para "instaurar democracias" e consegue ser reeleito presidente dos Estados Unidos é coisa do além. Vou adormecer a pensar que nos próximos quatro anos estaremos num mundo menos bélico, menos mau. Vivo melhor com isso.

3 comentários:

Nádia disse...

Indeed! Ouvi hoje a notícia na rádio e fiquei 'contente'. Não costumo acreditar em política/ideais, só acredito em ideias e bom senso. Penso que Obama tem ambos. Agora preocupa-me o nosso pequeno e baralhado Portugal!...

Rui Coelho disse...

Fiquei acordado, tou que nem posso. Mas vale sempre a pena, dorme-se pouco mas melhor.

E sim, o nosso Portugalzinho está a milhas desta realidade de esperança sólida numa política melhor, responsável mas para as pessoas.

Nádia disse...

Pois :(... Bom descanso!*