segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

Isto é uma espécie de declaração de amor


Caetano e Chico, juntos, e ao vivo. Os dois trovadores, queridos inimigos da ditadura militar que governou no Brasil de 1964 a 1985, a driblar a censura com onze temas, daqui e dalí, reunidos num concerto único, com menos de 40 minutos e sem dúvida transbordante; um espernear simbólico da Música Popular Brasileira contra o regime opressor. Gravaram-nas no Teatro Castro Alves, em Salvador da Bahia, 1972, mas nem sempre como as passámos a trautear. A relação zangada de Caetano com Deus - "Partido Alto" -, a sugerida entrega de "Bárbara" a outra mulher, capítulo do maravilhoso livro que é o "eu" feminino de Chico; tudo coisa para censurar mais cedo do que tarde. Se não for pela desarmante "Atrás da Porta", se não for pelo mosaico perfeito de "Ana de Amsterdam", valerá sempre a pena ouvir “Bárbara”, dueto entre esta e aquela personagens, uma e outra vez, e aplaudir tão entusiasticamente quanto possível quando sentimos chegar os versos proibidos:

"Vamos ceder enfim à tentação
Das nossas bocas cruas
E mergulhar no poço escuro de nós duas."

5 comentários:

sofia disse...

estavamos a ouvir o mesmo disco ao mesmo tempo :)

Enes disse...

és mil*

morraaescritapim disse...

Esqueceste-te de mencionar o melhor "cotidiano" de sempre. Mas estás perdoado!

f.a.r. disse...

Eu quero é dá' o foraaaa!!!

JPC disse...

repito muito o "bom conselho".
e agora ando a ouvir em repeat o #14 disco teu top.