domingo, 31 de julho de 2011

Depois da vertigem

Mulheres há que mereciam mais respeito da minha parte. És culpado se sentes culpa, escusas de tentar dar a volta. Tira um curso de serenidade, bebe água a noite inteira, faz qualquer coisa. Problema: (ainda) acredito que o momento é tudo e tenho dúvidas sobre amanhã. Já outras não merecem metade do respeito que de mim têm, ainda que se tentem enganar a si próprias, convencendo-se do contrário. Os The National dão sempre música a este tipo de reflexões. Gostava de os ouvir menos vezes. De uma forma ou de outra acho que isso acabará por acontecer: ou aprendes ou deixas de querer saber.

4 comentários:

Cat disse...

Gosto sempre da forma quase perfeita como (ex)pões estas coisas.
Eu, por exemplo, respeito todos os homens. Mesmo os que não me merecem nenhum respeito. E assim acabo por me desrespeitar a mim. Mas vou aprendendo.
***

Isis disse...

Eu respeito quem me respeita e ignoro literalmente tudo o resto. Demorei uns anitos mas consegui.Sê preserverante :)

Di Almeida disse...

Eu nunca tiro ninguém definitivamente da minha vida. Apenas as organizo como nas urgências, definindo prioridades.
Há quem seja logo atendido, há quem espere um dia inteiro e há quem morra por nunca ser chamado.
Respeito todos. Só não têm é a mesma importância.

Banda que me faz nadar na fossa e eu peço bis: Joy Division.

Rui Coelho disse...

Cat: o gosto pela quase perfeição na forma como(ex)pões estas coisas é bem recíproco!

Isis: neste caso sou mais réu do que queixoso ;)

Di: bis às tuas urgências*