sábado, 14 de março de 2009

E depois do adeus (há o Lux)

Pintura: Le Moulin de la Galette
Artista: Pierre Auguste-Renoir
Corrente: Impressionismo
Data: 1876
Casa: Museu D’Orsay, Paris

O adeus é uma declaração de intenções que P. compreende estar sobrevalorizada. Chega a recusá-la. Daí que, nos tempos da faculdade, depois de um longo jantar boémio, P. preferisse dar continuidade à manhã quando os amigos devolviam os respectivos pés às pantufas, sobre o pretexto de que aqueles já se queixavam, de tão doridos. Sobre estas e outras coisas se debruçava P., luz das letras, poeta urbano, dandy, quando, a seu lado, I., muito atenta - acabara de o conhecer -, não deixou de verbalizar o espanto que se lhe assomou quando de P. ouviu: «Pá, ia para o Lux sozinho. Mas não era para o engate».

I. – (chocada) Que é que ias fazer para o Lux sozinho.?’????
P. – (contra-chocado) Dançar!

4 comentários:

P. disse...

Como se não bastasse andar a vaguear pelo lux all alone ainda por cima "ajuda" um Banco!!!!
Digamos que 5 pontos de interrogação são insuficientes. E não foi choque, foi mais paragem cardiaca. :):):)

i disse...

"abaixo o capitalismo!", é o que eu digo LOL
deixo aqui a minha veemente indignação, porque assim P. parece um gajo open mind, estilo "I don't care what people say", que vai dançar sozinho pó lux (esse local que, todos sabem, ser apenas para free spirits - note-se a ironia), e I. parece mais uma velha resmungona do restelo.
A salvação de I. é P. ter assumido ser o advogado do BCP. Assim I. defende os inocentes, isso já melhora a pintura.

Oh não, já estou a cantarolar o jingle do anuncio do bacalhau.
Para qd nova ida ao bairro?

i disse...

e acrescento: o mal de I. é que nunca deixa de verbalizar o(s) seu(s) espanto(s)

P. disse...

P. acrescenta apenas três observações:

1- P. não é advogado do BCP;

2- Cuidado com as cantigas de anuncios de bacalhaus! entranham-se (e é má música);

3- Espero que I. (e bem) nunca deixe de verbalizar o(s) seu(s) espanto(s);

P.S. - Ida pró bairro para qdo quiserem!