domingo, 12 de junho de 2011

"At least I author my own disaster"



Se focarmos um ponto lá longe, distante, só a nós visível, podemos passar sem dor nem culpa pelos gélidos corredores da memória e curtir isto tudo a direito. Temos um plano: o passado não é opção.

13 comentários:

Di Almeida disse...

Domingo...
Esta música dá-me vontade de fazer rewind, consciente de que tenho o comando na mão e posso passar à frente quando me apetecer. Viver no passado é um erro, viver do passado é uma opção. Eu gosto de o manter como as minhas relações amorosas fracassadas: vividas, engavetadas, arrumadas.
*

Rui Coelho disse...

Domingo... depois de três noites rodeado do povão fiz o stop do costume para arrumar ideias. Esta música vira-me do avesso. À boleia dela já fiz muita coisa, nomeadamente encomendar e devorar um livro erótico de um autor francês (georges bataille) que é referido ali no início. A letra é tremenda!

Martini Bianco disse...

Claro que o Lucky Luke sou eu :) "I'm a lonesone cowboy..." yaaaaa

Concordo ctg mas olha que a matulona te afogava :)

Rui Coelho disse...

pois eu desconfiava e tive o cuidado de não me fazer entender mais do que o suficiente!

agora explica lá como é possível também teres posto no teu perfil do fb a foto de um herói de banda desenhada de quem nunca falámos, que me lembre? ahaha genial

Cat disse...

Nem mais. Fabuloso.

Di Almeida disse...

Sim,esta música dá vontade de devorar algumas coisas, mas em português e do avesso.

ana disse...

há quem diga que esta música é dedicada a mim. versão futurologia. e que um dia vou ser eu a dizer o verso "somehow you've red-rovered the gestapo circling my heart". mas eu nunca acreditei em futurologia :)

Rui Coelho disse...

Cat: *;

Di: à portuguesa, com certeza;

Ana: faz chegar esse dia, és tu quem vai ao volante. E essa passagem que citas é qualquer coisa.

Martini Bianco disse...

Cresci a ler os livros dele que junto com os do Tin Tin são os meus preferidos.

Personagens como Jolly Jumper, Billy The Kid, o senador Smith, os irmãos Dalton ou até o Rantanplam estão sempre no meu imaginário.

Foi uma feliz coincidencia.

Cacarol disse...

Adoro os livros dele,li-os todos e mais houvesse...

Isis disse...

O passado...esquece lá isso. Move on. Always!

Rui Coelho disse...

martini: mete coincidência nisso, incrível. ainda tenho na casa dos meus pais uma colecção desses livros, capa dura, tinham um cheiro especial;

Caracol: eu só li esse referido na canção, mas à pala dele nunca mais me esqueço do autor. Bem vindo/a ao barraco;

Isis: por vezes temos de gritar alto para nos ouvirmos a nós próprios. Mas a ideia é mesmo essa: o caminho faz-se caminhando.

Ana Roman disse...

Muito bom! :)